Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2017

Velhos amigos

Imagem
(Imagem: Pinterest)


Encontraram-se no ônibus.
- É, esfriou de novo. Mas vai fazer calor – disse o que usava um gasto chapéu cinza. O outro fez que não ouviu.
- É a formiga que está dizendo: vai esquentar e vai chover... – insistiu.O companheiro de viagem aceitou a provocação:
- É isso: formiga, quando começa a carregar folha, pode saber que vai chover.
Pronto. A faísca de conversa já se transformara em chama. O de chapéu acomodou-se no assento, pôs no chão entre as pernas uma sacola cheia de misterioso conteúdo envolvido em folhas de jornal, e cruzou os braços:
- Num é? Lá na minha terra a gente aprende essas coisas desde criança. O senhor é de onde? – perguntou cutucando o outro de leve com o cotovelo.
- De Bom Jardim.
- Gente... De Bom Jardim? Eu também, uai! Não me diga que é gente dos Gouvêa...
O companheiro pigarreou meio sem jeito, coçou a cabeça e respondeu que não. E voltou às formigas:
- Quando eu era criança, tinha um jardineiro que ia à casa da minha tia. Ele dizia que formigueiro é …

Mãos, chapéu e pires

Imagem
(Imagem: Google Images)

Crowdfunding.
Andreia acenou a palavra lá do outro lado do oceano. Trata-se de operação destinada a obter recursos para iniciativas de amplo interesse. A fonte, em geral, são pessoas físicas interessadas no objetivo final proposto. Resumindo, é um financiamento coletivo.
“Financiamento” é palavra de brilho ainda sedutor, embora possa sugerir cautela, desconfiança. Em muitos casos é armadilha. Já “interesse” é locomotiva de força descomunal, que se debilita quando atrelada a “coletivo”. A composição assim rasteja, desvia-se com facilidade do caminho original, para enveredar-se num cipoal indevassável de argumentos, evasivas e ... outros interesses.
Vestido com tão bem talhado traje, o tal financiamento coletivo assume alto posto, muito distante das mãos aflitas que clamam por seu socorro. Venal e insensível, o crowdfunding vez ou outra concede o beneplácito de sua atenção a quem lhe é recomendadíssimo. Ou consegue tocar-lhe o inalcançável bolso – proeza que só pouco…