quinta-feira, 15 de março de 2018

Papo de boteco


(Imagem: MTLR)



- Vá acreditar na fidelidade das pessoas, que a vida logo te dá uma rasteira e derruba você uma, duas, várias vezes. Até você aprender que nada mais frágil e traidor que o pobre coração humano.

A sabedoria era proclamada por uma voz que sobressaía ao falatório do botequim lotado. Seguia dizendo que lá por onde andara apareceram, em certa ocasião, dois forasteiros de berço e hora desconhecidos. A um, pela aparência, se chamou Bigode. Ao outro, franzino e frágil, se atribuiu a alcunha de Provisório, dada a impressão de que logo desapareceria das ruas, encaminhado talvez aos cuidados de uma entidade assistencial.

Bigode e Provisório viviam em paz, sem brigas e confusões desnecessárias, nem ameaças à paz e à segurança públicas. O comportamento sociável de ambos era a garantia de alimento farto, olhares de complacente indiferença e muitos, muitos momentos de confraternização, diversão e diálogo com os irmãos em abandono.

Sabe-se lá por que razão, Bigode e Provisório afinaram predileções e uniram-se em amizade. Aonde ia um, ia o outro. Não se separavam mais que a distância de um quarteirão. Espertos, descobriram logo quando e a quem deviam se insinuar. De invisíveis, tornaram-se simpáticos e confiáveis.

Um dia a sorte os contemplou pelo olhar e estima solidária da moça das artes e de seu companheiro. Dali ao afago da acolhida foi um instantinho só. Bigode e Provisório adaptaram-se à vida agitada e colorida de personagens do circo e de heróis do mundo infantil.

Fidelidade e companheirismo acima de tudo – era o lema da dupla. Houve até quem jurasse ter flagrado, em algum momento de muita agitação, a troca de um piscar de olhos entre Bigode e Provisório.

- Vá ver, era só impressão, porque cachorro não pisca um olho quando acena cumplicidade – filosofou no botequim outra voz que tropeçava nas palavras.

Conversa, só. Papo de boteco.

2 comentários:

Marcos disse...

Da melhor qualidade. Excelente. Bigode e Provisório. "A"dupla.

Célia Rangel disse...

Essa "Conversa de Boteco" me levou a concluir: - "quanto mais conheço e convivo com o humano, mais aprecio os animais"! Bigode e Provisório - valem a pena!
Abraço.