quinta-feira, 23 de março de 2017

Faro amigo


(Imagem: MTLR)

Em cima da cama do casal, ela lixava pacientemente as unhas enquanto ele, entediado, assistia o telejornal na sala. A quitinete só não era um forno de padaria porque ela abrira a porta envidraçada, que separava o quarto de uma diminuta área externa.
- O Barata, amor! Acho que vi o Barata na tevê, aquele safado...
O Barata era o canalha travestido de corretor de imóveis e que aplicara nele, e em mais meia dúzia de sonhadores com a casa própria, um golpe que os deixara sem dinheiro e de muito mau humor.
- Hum-hum... – ela gemeu lá do quarto, enquanto esticava o pescoço para ver o que o Piquê tanto farejava na tal área externa. A descoberta acabou num grito:
- Aiii, barata amor!
- Pois é, o picareta... Acho que era ele. A cena foi rápida, mas eles vão mostrar de novo a entrevista com o técnico. O safado estava logo atrás, dando uma de papagaio-de-pirata...
- Né não, amor. É barata bicho. O Piquê tá lá brincando com ela...
- O quê? É o Barata, aquele corretor pilantra...
Ela bateu com força a porta envidraçada, deixando do lado de fora o cachorro e a barata. Em seguida, deu dois passos e chegou até a sala.
- Amor, presta atenção: é barata, tem que matar...
Ele concordou, sem desviar os olhos da tevê.
- Dá vontade mesmo, viu... Se não fosse crime, eu ia ser o primeiro a torcer-lhe o pescoço.
Mais um passo, e ela já se posicionara entre ele e o aparelho de tevê. Agarrando o marido pelos ombros, sacudiu-o até que seus óculos saltaram da ponta do nariz, indo parar no chão.
- Nossa, amor, isso tudo é raiva do Barata?
- É, mas é DA barata. Barata bicho, que tá lá fora. O Piquê...
- Ah, tá – ele resmungou, afastando com o braço a mulher da sua frente. – Daqui a pouco eu vou lá.
Ela fez uma careta engraçada e franziu o nariz. Depois voltou para o quarto caminhando na ponta dos pés, como se o chão da sala estivesse coberto de insetos. Perto da porta, esticou o pescoço e viu o cachorro deitado num retângulo de sombra, a poucos centímetros da barata cascuda, que se fazia de morta numa quina de parede. Com extrema cautela, abriu uma fresta e chamou o cachorro, que entrou agitado. Ela reagiu:
- Piquê, para de ficar pulando em mim com essas patas de barata...
Depois de lavar e desinfetar com álcool as patinhas do cachorro, ela insistiu:
- Amor, não esquece não, viu?
- Ahn?
- A barata, amor! Ela ta lá, mexendo aqueles chifres enormes...
Ele continuava só atenção para o programa esportivo na tevê. Ela então enroscou-se sob um fino lençol e, antes de cair no sono, emitiu, lá das profundezas de sua caverna, um grito abafado:
- A barata, amor!
Acordou no meio da madrugada com o ronco do marido. Acendeu a telinha do celular tentando, em vão, enxergar através do vidro da porta. .
- Amor, acorda!
- Ahn?
- A barata, amor. Você não esqueceu de matar ela não, né?
Ele resmungou algo como “era ele não”, virou-se para o outro lado e desmaiou de novo.
Precavida, ela tirou do chão os chinelinhos e os colocou ao alcance das mãos, sobre a mesinha de cabeceira, antes de pegar no sono novamente.

(Reeditado)

sexta-feira, 10 de março de 2017

Super o quê, mesmo?

(Imagem: Pinterest

 


Há tempos, pesquisando jornais antigos no Arquivo Público Mineiro, dei com o resultado de uma enquete realizada em escola estadual de Belo Horizonte na década de 30. Foram ouvidas crianças de ambos os sexos, com idade entre 11 e 13 anos – todos, alunos do então 4º ano primário. O objetivo era conhecer melhor os interesses dos jovens.

Tarzan, o super-herói da época, era apontado por apenas três dos pesquisados como o modelo a ser imitado. É claro, citavam-se outros paradigmas, sobretudo atores e atrizes do cinema e gente da música. Porém, a referência de vida para a maioria eram então os próprios pais.

Feitas hoje, enquetes semelhantes talvez surpreendessem pelos seus resultados. Nossos super-heróis não são mais quem se esfalfa pela sobrevivência honesta e digna da família. Para preencher o vazio de caminhos seguros aos que, muito cedo, conhecem descaminhos, há atualmente extraordinária variedade de personagens bizarros e opções de consumo.

De outro lado, é tentador supor sobrancelhas erguidas pela suspeita de que educar, associando conhecimento a princípios morais e éticos, seja o atalho para tolher a liberdade de escolha. Afinal, quem educa é o Estado, ou a família é parte indissociável nesse processo?

Em esclarecedora entrevista a O Globo, o filósofo Bernard-Henri Lévy lamenta o avanço dos Estados democráticos na direção errada: a do populismo e do niilismo. "Hoje, a mentira e a verdade tem o mesmo status, e é muito difícil distinguir uma da outra", acrescenta ele.

Teleguiados, é possível que boa parte de nós deixe escapar pedido como o que fez o papa Francisco, para que os fiéis carreguem e leiam a Bíblia como se fosse um celular. Sua Santidade não o disse naquela ocasião, mas poderia ter sugerido também que se cultuem menos ídolos e super-heróis, substituindo-os, por exemplo, pela presença de um crucifixo em casa de quem tem fé ou anda precisando dela. 

É, desde sempre, a única saída. Sobretudo para os tempos de enrosco em que nos metemos.