sexta-feira, 26 de maio de 2017

Diálogo

(Imagem: Pinterest)

Ela saiu do show de regaeton e permaneceu nas nuvens. Passou por dois ou três barzinhos até conseguir finalmente aterrissar, com o dia já nascendo. Dirigiu-se ao ponto de ônibus, onde ele se distraía com o celular enquanto aguardava condução.
- Aê tio, tava no show?
O homem assustou-se, mas disfarçou:
- Show? Que show?
- Tá me trollando, cara? Do DC Pow e da Luana Pê...
- De quem?
Ela encarou o interlocutor com um olhar, primeiro de surpresa, depois de desconfiança. Deu um muxoxo e escapou pelo celular. Ele insistiu:
- Essa tal de Luana é uma atriz de novela, né não?
- Eu shippo a Luana e o Pow porque a Luana é destruidora.
- O quê? Ela é black bloc?
- Cara, ela lacrou nas respostas que deu pro safadão do ex dela – ela disse ignorando a pergunta, apertando os olhos e sacudindo os braços.
- Taí, também curto o Safadão...
Silêncio. Voltando-se para o lado oposto, ela escondeu um sorriso de deboche.
- Ô busão que demora! Mó caô, aê: showzaço desse e a galera sem busão... – queixou-se.
- E esse tal de Pow, hein? O cara é bom? – o outro perguntou, na expectativa de não deixar morrer aquele fiapo de conversa que, sabe-se lá, poderia levá-los a um fim de noite agradável.
- Se o Pow é bom? Se existe alguém que dispensa um melhore é o Pow... Ele é crush. Quando sorriu pra mim eu fiquei morta.
- A melhor dupla, pra mim, é Zé Ricardo & Ezodracir. Tem igual não, viu? – entusiasmou-se o homem.
A fã do DC Pow e da Luana Pê fez careta de horror e resmungou entredentes um ‘seje menas’. Sem dar pela coisa, o outro prosseguiu:
- Eles cantando Roteiro de um Amor Amorzão é demais. Quem sabe essa Luana e o tal do Pow aí não gravam essa música, né? Se eles são bons como a gata tá falando...
A gata sorriu sem vontade, esquivou-se da mão cabeluda que já pousava em seu ombro, e nem se preocupou em disfarçar o desagrado. O outro entendeu o sorriso como aquiescência e a recusa como charme.
- Que tal se a gente fizesse nosso showzinho – eu no papel do tal de Pow apaixonado e você, no de Luana sonhadora? – o homem propôs com voz suave.
- Aê, tu fica aí batendo cola, mas tá na alta que não vai ter beira, tio... É o pu do pu da puca.
Dito isto, a gata deu um tchauzinho com a mão esquerda, enquanto a direita fazia sinal para o busão.

3 comentários:

Célia Rangel disse...

Que mundo de difícil entendimento, não é mesmo, Eduardo!? A continuar assim, "Diálogo"... só com "intérprete"!!
Abraço.

A. disse...

Interessante desencontro ��

Abraço

Marcos disse...

Valores e dialeto de outro mundo.
Abraço.