sexta-feira, 7 de abril de 2017

Carochinha revisitada

(Imagem: Pinterest)

Há mais de um século era lançado no Rio, pela Livraria Quaresma, o livro Contos da Carochinha – considerado o primeiro texto da literatura infantil escrito em português do Brasil, compilado e redigido pelo jornalista Alberto Figueiredo Pimentel.

No tempo da Inquisição, denominava-se carocha uma espécie de mitra extravagante que os condenados eram obrigados a ostentar, a caminho do suplício. A palavra chegou às salas de aula para identificar uma carapuça de papel, posta como castigo nos alunos que se comportavam mal. Além de outros significados pouco relevantes, carocha era também sinônimo de bruxa ou bruxaria e, na literatura, acabou se transformando em denominação de narrativa fantasiosa – uma mentira. O diminutivo do vocábulo – carochinha – foi dar em título do livro em questão.

Em outubro de 1930, a mesma editora lançou Histórias da Avosinha, obra com 370 páginas e 131 gravuras desenhadas por Julião Machado. Em uma das estórias, intitulada “O bom juiz”, o personagem Zenobio é “empregado da Limpeza Pública”, e porque “necessitava sustentar numerosa família, trabalhava alegremente, sem se importar com os tolos preconceitos sociais”.

Em uma de suas varreduras, o personagem encontra uma carteira recheada com muito dinheiro da época – cem mil réis. Depois de algum empenho, o homem consegue localizar o dono do achado – um comerciante avaro que, diante do delegado, acusa injustamente o gari de ter surrupiado 10 por cento daquela quantia. Convicto da honestidade do trabalhador, o juiz então determina que o mesmo fique com a carteira e o dinheiro, uma vez que a vítima alegava ter perdido cem mil réis, e não noventa mil.

Passadas mais de oito décadas, os contrastes da narrativa são tão evidentes quanto cruéis. Nenhum gari, para sustentar 'numerosa família' com seu salário, trabalhará alegremente, sem se importar com os preconceitos sociais. Caso encontre uma carteira recheada de reais, euros ou dólares (e decidindo-se por sua devolução ao dono), não passará por uma delegacia de polícia e muito menos por um juiz, mas acabará virando notícia na tevê que, para garantir audiência, emprestará ao fato a pieguice habitual. A par da fama instantânea e fugaz, nosso herói terminaria em Brasília, com direito a audiência na Presidência da República. E é lá, nas vizinhanças do Palácio do Planalto, na contramão das honras que se prestaria à Honestidade, é que, hoje, homens do governo tentam justificar o injustificável – atos secretos que nomeiam, criam despesas e trazem à tona revelações que fariam corar o abajur do justo juiz de Histórias da Avosinha.

Como nada se perde (ou deveria se perder, em se tratando de experiência), a carapuça de papel nos ficaria bem. Esconderia nossa indiferença, fazendo-nos passar por envergonhados diante de tanta desfaçatez. A carocha-bruxa já existe, e vez ou outra se solta no cenário oficial da Capital, espalhando-se pelo país e chegando a governos estaduais e prefeituras.

Da carochinha mesmo seriam discursos e declarações oficiais que ouvimos, nos quais ainda há quem insista ou finja acreditar.

(Reeditado - Repost)

Um comentário:

Célia Rangel disse...

Batalham em causas próprias...
Carochinhas e afins que estejam ao seu dispor, de preferência empanando a desfaçatez (como se fosse possível...)
E, ao povo cabe saber separar o joio do trigo... mas sei que no final teremos pouco, muito pouco, trigo!
Abraço.