terça-feira, 12 de julho de 2016

O Vigia - 9




(Imagem: Pinterest, do álbum de Ivey Zimmerman)


Deixei um pouco de lado o meu mapa, com imaginários roteiros marítimos rabiscados a lápis. Tenho agora a companhia menos silenciosa e mais fraterna do rádio. Passo minhas noites de trabalho ouvindo um programa, pelo qual o locutor transmite recados a quem vive em fazendas no interior. Sei, por exemplo, que há quatro dias uma Sebastiana precisa desesperadamente entrar em contato com seu filho, Alencar Mourão, que trabalha na Fazenda Três Tiros. O motivo é o estado de saúde de alguém da família, que o tal Alencar não vê há mais de três anos.
Embalado pela música, às vezes lembro um ou outro verso de um poema que me dedicou minha amiga Kaliandra – sonhadora, alegre, jovial e fugitiva. Antes de partir para São Paulo, deu-me cópia do que, segundo afirma, compôs “inspirada no misterioso e silencioso amigo, que à noite vigia tijolos, mas dispensa-nos, durante o dia, benvinda vigilância para que não nos entristeçamos”.
“Vigia/guarda e desconfia da solidão noturna./A morte é o passaporte...”, começa o legado que me deixou a poetisa distante e de quem nunca mais ouvi falar. Um dia perguntei-lhe o significado de seu nome. Carlão sacou rápido e foi dizendo que era a mesma coisa de calandra, parte do conjunto que compõe o maquinário de uma oficina de impressão gráfica. Kaliandra aplicou-lhe imediatamente um beliscão, chamou-o mentiroso e negou, com graça, que tivesse nome de sucata. “Kaliandra é uma flor, seu bobo!” – e iniciou longa e detalhada explicação sobre a origem e significado de seu nome.
Há quatro anos Kaliandra se foi. Tomador de conta de prosaicos tijolos de barro, inspirei, no entanto, um poema cuja lembrança, estranhamente, não me torna leve a alma; antes, evoca uma tristeza que desconheço.
"Espia... Acorda... Entorpece... Vigia...”, conclui o poema de Kaliandra. E é exatamente assim a solidão que me acompanha: espia, acorda, entorpece e me vigia sempre.

2 comentários:

Unknown disse...

Ai, como eu gosto de ler vc...

EDIMAR SUELY disse...

Muito bom. Parabéns