quarta-feira, 6 de abril de 2016

Perigos da Noite


 
 
O aplicativo capta a transmissão, por emissora francesa, de um hino quaresmal do compositor inglês William Byrd intitulado Christe qui lux es et dies (Cristo, que és luz e dia): "Senhor todo Santo, nós oramos a vós / mantenha-nos esta noite livres do perigo...".
 
Em dado momento, o cântico se transforma em música de fundo para o discurso pronunciado ao vivo na Câmara dos Deputados. Melancolicamente devastador, o contraste revela o confronto entre a beleza da prece humilde e aflita e a falácia de uma bravata encenada aos berros e a punhos erguidos – tudo sugerindo arremate em ameaçado e inexistente pranto.

Atribui-se ao poeta, jornalista e escritor Cassiano Ricardo a afirmação de que no momento em que se nasce é que se começa a morrer. O percurso mais ou menos longo nesta centelha de vida na misteriosa noite do Tempo carrega em si não apenas dor e sofrimento mas, também e sobretudo, esperança. É nela, a esperança, que renascemos a cada dia.

Em tempos de prevalência do cinismo e da desfaçatez que corroem valores essenciais ao convívio em sociedade, é pelo fortalecimento da fé e no renascer da esperança que nos revigoramos para enfrentar a escuridão que o mundo dissemina. 

Livra-nos, Senhor, dos perigos desta Noite.




2 comentários:

Lau Milesi disse...

Que texto!! Muito lindo!!
"É nela,na esperança,que renascemos a cada dia".
E renascemos aqui também ao lermos textos/crônicas excelentes.
Já através dos nossos legisladores,morremos...e de vergonha.
Um abraço,Eduardo
Parabéns pelo Dia do Jornalista.Hoje.

Célia Rangel disse...

Prima-se pela desfaçatez e, valores básicos para a dignidade foram há muito descartados... Só nos resta a esperança na fé, por dias melhores!
Abraço.